Investir em imóveis em Miami é uma realidade cada vez mais comum para os brasileiros. Hoje as facilidades são tantas que é crescente o número de lançamentos voltados exclusivamente para o público verde e amarelo. É um bom negócio sob vários aspectos, tanto para quem quer morar quanto para quem quer proteger seu patrimônio contra as inconstâncias da economia nacional. Veja como investir em imóveis em Miami e venha aproveitar as vantagens de taxas de financiamento menores e ótima perspectiva de valorização do mercado imobiliário americano.

Medo do futuro instiga brasileiros a investir em imóveis em Miami

Não é à toa os brasileiros são os segundos no ranking de maiores investidores do mercado imobiliário de Miami – perdendo apenas para os Venezuelanos. Em busca de segurança, blindagem de capital em um investimento seguro e imóveis mais luxosos a um custo menor, o brasileiro leva de brinde a comodidade de ainda poder ficar na própria casa nas viagens a Miami, um dos destinos mais procurados em todo o mundo.

Os valores ainda são um dos grandes atrativos, claro. Afinal, investir em imóveis em Miami é comprar uma casa ou apartamento muito mais barato do que no Brasil - principalmente quando comparados aos valores de algumas capitais brasileiras. Só para se ter uma ideia, em Miami é possível encontrar imóveis com mais de 140 m² por R$ 600 mil, enquanto no Leblon (RJ), por exemplo, o m² está em torno de R$ 22 mil.

Os preços ainda estão em média 30% mais baratos do que antes da crise imobiliária americana de 2008, quando chegaram a cair mais de 50%. Com o metro quadrado bem mais em conta, é possível encontrar casas e apartamentos muito mais luxuosos do que por aqui. Aliado à segurança e à infraestrutura oferecida pela cidade, Miami é um verdadeiro paraíso para brasileiros.

Estabilidade da moeda e facilidades de financiamento garantem um ótimo investimento

Por outro lado, o dólar é e sempre foi uma das moedas mais estáveis do mundo, o que torna o ato de investir em imóveis em Miami ainda mais seguro. Isso porque, frente ao alto risco dos fundos cambiais ou das BDRs (utilizadas no Brasil para intermediar a negociação de ativos de empresas estrangeiras). O imóvel é muito menos sujeito à volatilidade do mercado financeiro.

Por outro lado, os juros para financiamento imobiliário são bem mais baixo dos que os praticados pelo mercado imobiliário brasileiro. Mas não é só: investir em imóveis em Miami tem burocracia reduzida, sendo muito simples para os estrangeiros.

A maioria dos instituições financeiras americanas aprovam o crédito entre 30 e 60 dias para prazos de 15 ou 30 anos, os mais comuns. Para isso, os documentos exigidos normalmente – ainda que possam variar um pouco de um banco para outro – são cópia do passaporte com visto válido; cópia do IR dos últimos 3 anos; cópia dos 3 últimos extratos bancários; comprovante de posse do valor da entrada; relatórios de ausência de restrição em órgãos de proteção ao crédito no Brasil; e cópias dos últimos contracheques.

Investimento em imóveis não para de crescer em Miami

Investir em imóveis em Miami é um negócio que não para de crescer – e por motivos bem sólidos. Ao contrário daqui, 80% dos imóveis são pagos à vista, o que significa uma liquidez praticamente imediata na hora da venda. Os 20% restantes são comprados através dos financiamentos, bastante incentivados pelo governo.

Por outro lado, Miami quase não tem estoque de imóveis, já que a demanda supera a oferta. Assim, fica praticamente eliminado outro boom como o de 2008, já que sem estoque não há risco de queda de preços.

Vários projetos valorizam cada vez mais a cidade, como os investimentos de US$ 500 milhões no aeroporto, que duplicará de tamanho; de US$ 2 bilhões no porto; o Tri-country-rail, metrô rápido inteligente por toda extensão da cidade e o trem bala (High Speed Rail) até Orlando, por exemplo.

Processo de escolha também é mais facilitado do que no Brasil

Enquanto por aqui é preciso consultar várias imobiliárias para ter um bom leque de opções, investir em imóveis em Miami é ainda mais fácil. Lá, todos os corretores têm acesso a uma plataforma única, um sistema integrado com todos os imóveis disponíveis. Assim, o que difere um corretor do outro é o atendimento, não as ofertas. O fee – ou comissão – no entanto, é o mesmo daqui: 6%.

Na hora de decidir sobre o tipo de imóvel para investir em Miami, não esqueça de levar em conta alguns fatores. Um deles é a finalidade do imóvel, já que nem todos podem ser alugados, o que depende muito da região.

A forma de compra, se em cash ou financiado. O estrangeiro, via de regra, tem que dar 40% de entrada (o americano 10%), com o restante financiado e até 30 anos, com juros entre 4% ou 5% - dependendo do banco e do seu histórico.

Se for para alugar, geralmente o valor do aluguel cobre o financiamento, o condomínio, o imposto e o seguro furacão – este uma proteção para o banco nos financiamentos. Assim você nem sente a compra ao longo dos anos, precisando apenas do valor da entrada e despesas cartoriais.

Viu como investir em imóveis em Miami é um ótimo negócio? Você tem um ativo real, em dólar; proteção cambial contra a desvalorização do real (hedge natural); crédito tributário (benefício com o financiamento e taxas bem mais baixas do que no Brasil); e expectativa de valorização.

Fique por dentro de todas as nossas dicas acompanhando nosso blog!